Menu

Celebramos esta terça-feira, dia 11 de Fevereiro, a fundação da Cruz Vermelha Portuguesa.
Festejamos, com os portugueses, 155 anos que marcaram a história das sociedades e mudaram a vida de milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade.

Quando, em 1865 o médico militar José António Marques concretizou um dos objectivos principais assumidos na Convenção de Genebra no ano anterior, estava longe de imaginar que 155 anos depois, em Portugal, mais de 4.000 voluntários e 2 500 colaboradores se dedicam diariamente à causa Humanitária da Instituição.

A Cruz Vermelha Portuguesa apoia, anualmente, mais de meio milhão de pessoas, abrangendo todas as idades e extractos sociais, com ênfase nas populações vulneráveis como é o caso dos idosos, das crianças, dos refugiados, da população prisional e das pessoas com demência. Destacamos o apoio a 6 900 vítimas de violência doméstica, entre a intervenção e protecção através de medidas de apoio à distância como a Teleassistência. Foram acolhidas, no âmbito do Programa de Recolocação de Refugiados 235 pessoas e apoiadas mais de 2 500 crianças e 1 800 idosos, no ano de 2018.

A CVP abrange todo o território nacional e ilhas, contando com 150 Estruturas Locais e estruturas de apoio e acompanhamento diferenciado, de cariz social, nomeadamente, creches, infantários, centros de actividades de tempos livres e Centros de Apoio à Familiar. Acrescem, ainda, às valências da Cruz Vermelha, Serviços Autónomos como o Hospital, o Complexo de Neurointervenção para apoio a pessoas com demência, o Lar Militar, a Escola de 2º ciclo na Madeira, a Escola de Socorrismo que forma mais de 9 600 pessoas por ano, as Escolas, Superiores e Profissional, com cerca de 2 000 alunos.

No leque de todos aqueles que apoiam a acção humanitária da CVP das mais variadas formas, contamos com centenas de doadores pontuais e regulares que acompanham projectos específicos e o impacto dos mesmos nos seus beneficiários e mais de 120 000 Sócios em todo o país. Importa referir os mais de 15 000 Membros beneficiários e mais de 20 000 utentes do Cartão Saúde CVP.

Nas palavras do Presidente Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa, Francisco George, “ é preciso não esquecer o passado, dignificar o presente e planear, sem receios, o futuro com foco na total transparência. Não há futuro sem memória. Não há sucesso sem coragem.”

Fonte: Cruz Vermelha Portuguesa

 

11 Fevereiro 2020
Partilhar notícia